quarta-feira, 4 de agosto de 2010

[Lives] 13 - O outra Setsuna (Parte 1)


            Mais uma manhã de outono transcorria em Mahora. Como sempre havia a corrida matinal para se chegar  a tempo para as aulas. Naquela manhã, porém, o grupo que ia com Negi e Asuna estava bem maior do que o de costume, isso graças a um membro diferente que os acompanhava.
            Asakura, Sayo, o trio biblioteca, Kuu Fei e Kôtaro corriam com eles animados, na verdade estavam mais para curiosos, pois não paravam de falar e fazer perguntas a uma única pessoa:
            - Então, ah... Setsuna-P: a quanto tempo você é shikigami da Setsuna? - perguntou Asakura com seu gravador a postos para registrar as resposta.
            - Você é um tipo diferente de conjuração, certo? - perguntava Yue com seu costumeiro suco de laranja com chá verde de todas as manhãs.
            - Você parece mais divertida que a Sakurazaki original! - comentou Paru que parecia ter ido com a cara da pseudo-espadachim.
            - Você é "folte" como ela? - perguntou Kuu Fei vendo a possibilidade de ter um bom desafio.
            Setsuna-P corria não muito distante de Konoka que tentava manter-se afastada correndo ao lado de Asuna. A shikigami portava um sorriso meio debochado, parecia estar gostando de toda aquela atenção. Não se deu ao trabalho de tirar a liga dos cabelos, pois já o tinha feito logo cedo. O fato é que a shikigami havia recebido ordens da verdadeira Setsuna para freqüentar as aulas em seu lugar para que nenhum "inocente" desconfiasse de qualquer coisa. Claro que nenhuma das pessoas que estava ali a cercando se enquadrava na categoria de "ignorante sobre magia", portanto começou a responder os questionamentos:
            - Pertenço à... mestra a seis meses. - respondeu à Asakura que registrou no gravador, Yue percebeu silenciosamente o tom ligeiramente desconfortável com que a "garota" referira-se a Setsuna, mas ignorou. - Sim, sou um shikigami especial. Minha matéria-prima não foi um simples papel comum, o que torna minhas habilidades diferenciadas. - disse olhando para Yue que manteve-se impassível. - Quanto a ser "divertida", não tenho certeza sobre esses assuntos... e, infelizmente não tenho a mesma quantidade de "ki" do que minha... mestra. - completou com simplicidade e Kuu Fei fez uma careta de desapontamento.
            - "Dloga"...
            - Então você está no lugar da Setsuna para proteger a Konoka enquanto ela está fora, certo? - continuou Asakura em sua entrevista exclusiva.
            - Exato. Minha única missão é a de manter a segurança a Ojou-sama. - respondeu sem tirar os olhos do caminho, Konoka se mexeu desconfortável ao lado de Asuna.
            - Sakurazaki-senpai!!!! - gritou uma voz masculina vindo do lado do grupo. Negi e as garotas pararam ao ouvir o estranho chamado, Setsuna-P parou para encarar o garoto que se aproximava com um sorriso debochado. Todos repararam logo que ele carregava uma espada de kendô nas costas.
            - De novo esse "cala"... - comentou Kuu Fei aborrecida.
            - Quem é ele? - perguntou Negi curioso, sem entender a situação.
            - É um garoto do clube de kendô de "Mahola". Ele vive tentando desafiar a Setsuna "pla" lutar, mas ela nunca aceita. - respondeu a chinesa erguendo o dedo indicador no ar.
            - Vamos lá Sakurazaki-senpai! Está com disposição hoje para perder sua fama no clube? - desafiou o garoto tirando duas espadas de madeira, normalmente usadas em treinos, de uma bolsa e segurando-as na direção de Setsuna-P.
            - Cara ousado. - comentou Yue tomando seu suco.
            - Será que ela vai aceitar? - perguntou Nodoka com uma das mãos próxima a boca.
            - Mas esse cara parece "mó" fracote! - reclamou Kotarô achando que se ria uma perda de tempo uma luta.
            - A Setsuna nunca aceitou as "plovocações" desse "galoto". - disse Kuu Fei pensando ser aquele um bom motivo para a shikigami fazer o mesmo. - Ainda é um novato no clube...
            Porém, para surpresa de todos, Setsuna-P abriu um largo sorriso que poderia ser interpretado como maligno:
            - Hoje é seu dia de sorte, novato. - disse esticando o braço no ar. O desafiante sorriu e jogou uma das espadas para Setsuna-P que a pegou.
            A pseudo-espadachim afastou-se do grupo para posicionar-se de frente para o adversário que parecia emocionado em finalmente conseguir lutar com um dos membros mais respeitados do clube de kendô de Mahora. Negi e as garotas ficaram se ação diante do que ocorria. O desafiante e a desafiada se encararam por um instante:
            - Pronta? - perguntou o rapaz que tremia ligeiramente. Setsuna-P alargou mais o sorriso frio.
            - Você nem imagina. - respondeu partindo com a espada erguida para atacar.
            A batalha inesperada começou e rapidamente amontoaram-se muitos alunos ao redor da cena para assistir, entre eles diversas alunas do 1º ano A:
            - Aquela é a Sakurazaki? - perguntou Sakurako boquiaberta.
            - Legal... - comentou Yunna que carregava uma bola de basquete embaixo do braço como quase sempre.
            A luta prosseguia sem que nenhum dos dois parecesse levar vantagem. Negi logo percebeu que a shikigami estava brincando com seu adversário. E não foi apenas ele que percebeu:
            - Mas que droga ela pensa estar fazendo?! - exclamou Kotarô irritado ao notar a displicência da "garota".
            - Está se divertindo... - comentou Yue baixo observando o sorriso enorme que persistia no rosto da "pseudo-garota".
            De fato Setsuna-P passou mais de três minutos apenas esquivando-se e defendendo sem dificuldades os golpes do seu desafiante inexperiente. Sorria sarcasticamente à situação do jovem e parecia não ter pressa em mostrar-lhe seu lugar. Somente aos cinco minutos de embate que a shikigami pareceu lembrar-se da hora:
            - Acho que está na hora de te mostrar algo do verdadeiro kendô. - comentou esquivando-se com facilidade de mais um golpe mal aplicado do rapaz. - Hu...- a shikigami golpeou a espada do jovem com uma força imensa, fazendo-a voar das mãos do seu portador indo espatifar-se ao longe.
            - Quê?! - exclamou o garoto já percebendo sua derrota. Mas Setsuna-P não se satisfez em desarmá-lo, com um golpe poderoso atirou seu próprio desafiante a uns quinze metros de distância.
            A platéia ficou abismada, mas em seguida aplaudiu a demonstração gratuita de violência usando o kendô. Setsuna-P pareceu agradar-se ainda mais ao ouvir os aplausos:
            - Caraca! Você arrasou Sakurazaki-san! - exclamou Yunna erguendo o braço para a "colega de sala". Setsuna-P sorriu amistosa para o grupo das alunas do 1º ano A que assistira.
            - Vocês ainda não viram nada. - afirmou sem hesitar fazendo o queixo do grupo que acompanhava Negi ficar ainda mais caído do que já estava com a cena de luta.
            - Nossa! Esse kendô é maneiro mesmo! Você arrasou mesmo Sakurazaki! - afirmou Sakurako que estava verdadeiramente impressionada com a força da "jovem".
            - Hu... podem me chamar de Setsuna-senpai. - disse Setsuna-P antes de ir na direção do grupo.
            - Setsuna-senpai!? - repetiu Asuna incrédula. Setsuna-P parou de frente para Konoka e Negi olhando para o relógio.
            - Nossa... vamos nos atrasar se não corremos. - afirmou e todos se tocaram da hora olhando para os próprios pulsos. - Venha Ojou-sama, não é nada bom para a neta do diretor se atrasar. - disse a shikigami segurando o braço de Konoka fazendo-a deslizar de patins sendo puxada por essa que recomeçara a correr, deixando para trás um grupo de jovens bem abobalhados.
            - Ela é... - começou Nodoka.
            - ... meio... - continuou Asuna que quase babava de tanto choque.
            - Demais! - exclamou Paru recomeçando a correr também.
            - Quê?! - espantou-se Kuu Fei que estava perplexa com a atitude da pseudo-espadachim.
            - É. Até que ela parece boa gente... - comentou Asakura recomeçando a deslizar em seu patinete com uma fantasma abobalhada ao lado.
            - Na verdade eu diria "meio diferente". - admitiu Negi ainda parado.
            - Eu gostei dela Aniki! - afirmou Kamo.
            - Eu diria "meio suspeita". - disse Yue sem ninguém ouvir novamente.
            - CARACA! Olha a hora! - exclamo Kotarô e todas retomaram seus caminhos.
            "Suspeita até demais" pensou Yue.





            Mais tarde naquele dia, Konoka ia a caminho da sala do clube de artes esotéricas. Mesmo que o clube só funcionasse uma vez por semana ela ia quase todos os dias ao lugar, o porquê só ela sabia. Porém hoje estava se sentido meio estranha durante o caminho, e não era para menos estando acompanhada de Setsuna-P que sorria levemente observando a paisagem à entrada do prédio:
            - O clima de outono é bastante agradável, não acha Ojou-sama? - perguntou observando as árvores que constantemente perdiam suas folhas antes de entrar no prédio. Konoka ignorou o comentário da shikigami e continuou em frente chegando à porta do clube de artes esotéricas, destrancando-a.
            Entrou na sala que era até bem espaçosa sem esperar pela "garota", quem sabe desistisse de segui-la se fosse ignorada. Mas para sua tristeza a shikigami entrou em seguida fechado a porta ruidosamente.
            Konoka sentiu o coração dar um pulo. Estavam a sós. A maga podia sentir a insistência do olhar da pseudo-Setsuna nas suas costas e engoliu em seco. Não gostava dela, nem um pouco, e as atitudes dela naquela manhã haviam sido o suficientes para a garota ter certeza de que não devia confiar nem um milímetro na "garota".
            Sem olhar para trás, Konoka foi até a mesinha que ficava no canto para mexer em qualquer coisa. Esperava que a outra se tocasse de que não queria sua presença ali, mas, ao invés disso, Setsuna-P aproximou-se por detrás sussurrando perto de seu ouvido:
            - Algum problema Ojou-sama? - sua voz era suave e calma, era completamente o mesmo tom de Setsuna ao falar com ela. Konoka sobressaltou virando-se para encarar a shikigami que estava muito próxima, corou forte pela aproximação, era o rosto de sua Set-chan afinal.
            - N-Não é nada... - disse baixo encarando com dificuldade o olhar persistente de Setsuna-P. Odiava-se por se sentir tão afetada pela "garota". - Eu só queria ficar um pouco sozinha...
            Setsuna-P sorriu calmamente:
            - Por que você teme a minha presença Ojou-sama? - perguntou aproximando-se minimamente de Konoka, apoiando a mão esquerda na parece logo atrás da mesa às costas da maga, prendendo-a de maneira sutil. - Não gosta de mim?
            - Ah... é que... - Konoka tentava arranjar alguma desculpa para correr dali imediatamente, seu coração e seus hormônios pareciam que não resistiriam muito tempo à voz e tudo mais de sua Set-chan que estavam em P.
            - Você não quer este corpo, Ojou-sama? - perguntou Setsuna-P parecendo exatamente o que fazer para atravessar as barreiras que Konoka tentava levantar entre elas. - Eu estou aqui apenas para satisfazê-la, da maneira que você desejar. - aproximou-se mais da garota que tremeu ao sentir a respiração da shikigami bater no seu rosto. Não resistiria àquilo por muito mais tempo, sua respiração se descompassava só de sentir o corpo de sua Set-chan tão junto ao seu. Sabia que não era ela, mas seus sentidos não conseguiam ignorar.
            - N... Não devemos... eu... - tentava dizer algo que pudesse deter a "garota", mas não conseguia nem se controlar. Fechou os olhos perdendo a noção do que fazia. Setsuna-P parecia satisfeita só por ter Konoka sob seu domínio.
            - Você me quer, não quer Kono-chan? - perguntou dois segundos antes de chegar à boca da quase-maga.
             Mas parecia ter dito a única coisa que poderia estragar sua investida. No memento em que seus lábios iam tocar nos de Konoka sentiu-se empurrada quase um metro. Abriu os olhos de deu de cara com uma Konoka corada e ofegante, porém repleta de determinação nos olhos:
            - Não me chame de "Kono-chan" Setsuna-P. - disse com a voz firme e a perplexidade tomou conta do olhar da shikigami. Ela afastou-se da curandeira reassumindo um tom formal. Konoka encarou seus olhos negros sem hesitar.
            - Devo fazer uma inspeção nesta área da cidade acadêmica. - disse Setsuna-P sem emoção dirigindo-se a porta e abrindo-a. - Mas estarei de volta às dezessete horas para lhe buscar... Ojou-sama. - continuou enfatizando levemente o pronome de tratamento. - Minha... mestra deu ordens para não deixa-la andar desacompanhada por Mahora, portanto peço que me espere para voltar à republica estudantil. - e saiu sem dizer mais nada, batendo a porta um pouco forte demais.
            Konoka permaneceu algum tempo parada no mesmo lugar, refletindo. Que destino cruel esse seu, de trair seus próprios sentimentos daquela maneira. Como podia cair tão facilmente nas garras da pseudo-espadachim!? Isso era abominável! Mas não conseguia evitar, Setsuna-P sabia exatamente como dobrar sua vontade sem fazer nenhum esforço e ela se detestava por isso. Por permitir que fosse manipulada daquela maneira. O que estava fazendo afinal?! Traindo os sentimentos de seu anjo na primeira virada de costas!?
            Droga! Mas também era culpa de Setsuna, oras! Por que tinha que lançá-la daquela maneira nas garras maldosas de uma shikigami sem escrúpulos!? Mas o que estava dizendo!? Como podia botar a culpa em sua querida Set-chan!?! Era mesmo uma besta... provavelmente Setsuna sequer imaginava que sua serva era tão... inescrupulosa!
            A quase-maga sentou-se no chão à frente da mesinha. Sua respiração ainda se normalizava. Percebeu que não teria como fugir da shikigami o resto dos dias em que sua Set-chan estivesse fora. Quem sabe se entrasse em coma? Daí não poderia fazer nada! Sim! Era uma ótima idéia! .... Quer dizer... seria, se isso não fosse deixar sua guardiã morta de preocupação. Não... já tava bem ruim sem tragédias...
            "Estou numa bela enrascada..." .

Nenhum comentário: