terça-feira, 3 de agosto de 2010

[Love Hina Return] 04 - Amantes secretos?!

Um mês inteiro se passou e o clima na cidade Hinata tornou-se mais quente, as férias de verão estavam se aproximando. Nesse maio tempo, os irmãos Watanabe começaram seus treinamentos respectivos: Takato aprendia técnicas de disfarce apuradas com Kanako; Hiro treinava kendô com Motoko todos os fins de tarde, após o expediente na casa de chá.
Mais uma tarde quente transcorria lentamente na Pensão Hinata. As garotas tentavam livrar-se do calor sufocante ficando no telhado da pensão tomando sucos bem gelados:
- Hum...que calor... - resmungou Sarah que estava estirada no chão.
- Pelo menos as férias de verão estão chegando. - disse Kaolla limpando o suor da testa.
- É...quem sabe eu me livro daquele "mauricinho" nessas férias...- comentou Mei esperançosa.
- Ah... - ai dizendo Ema.
- He. Você não gosta mesmo do Takato, né? - perguntou Shinobu que vinha chegando com mais sucos.
- Vai ver está apaixonada. - insinuou Kaolla e Mei ficou furiosa.
- ECA! TÁ MALUCA GAROTA!!! - exclamou ela tentando sufocar a outra que se desvencilhava.
- Nya ha há!
- Ué... - começou Sarah sentando-se e olhando ao redor. - Por falar no moleque....cadê ele?
- Verdade...já sumiu de novo. - comentou Ema servindo-se de suco. - Já faz uns dias que venho reparando nesses sumiços do Takato...
- Hum... - começou Kaolla pondo-se em pé com uma cara suspeita. -Vocês já repararam na freqüência de vezes que vemos o Takato conversando com a Kanako pelos cantos...
- Q-quê?! - as outras garotas exclamaram, menos Mei.
- Verdade... - confirmou esta seria enquanto coçava o queixo. - Eles sempre estão conversando baixinho e disfarçam quando alguém chega perto.
- P-peraí! - exclamou Ema. - Vocês tão querendo dizer que...
"ROMANCE SECRETO", foi o que  passou na mente de todas ao mesmo tempo:
- Ma-mas...ele é mais de cinco anos mais novo! - exclamou Ema chocada.
- Droga! Era tão obvio! - exclamou Sarah.
- Calma gente....pode ser só viagem nossa... - tentou acalmar os ânimos Shinobu sem sucesso.
- Precisamos pega-los no flagra!! - afirmou enfaticamente Sarah podo-se em pé de um salto.
- H-heim? - surpreendeu-se Ema.
- He...aquele moleque vai se dar mal... - comentou Mei com um sorrisinho maligno.
- Você vem junto Kaolla? - perguntou Sarah à morena.
 Na verdade estou meio ocupada...tenho outros assuntos para tratar. - respondeu Kaolla impassível  indo para dentro da pensão.
- "Outros assuntos" ? Como assim? - repetiu Sarah perplexa, Kaolla nunca se recusava a nada na hora de aprontar confusão.
- Teh mais gente! - despediu-se Kaolla antes de entrar na Pensão e sumir da cena.
- Ah... - disse Mei depois de instantes onde todas ficaram reticentes. - Ainda vamos pegar os imorais no flagra? - perguntou referindo-se a Takato e Kanako.
- Ah é!!! - exclamou Sarah voltando a si.- Hu hu....é claro... - respondeu com sombras encobrindo seu rosto.



No interior da Pensão a pequena Kuro passeava sozinha. A gata andava calmamente pelos corredores do lugar quando não voava com suas orelhas para chegar a outras salas mais rapidamente. Ela parecia estar a procura de algo. E disfarçava ao olhar minuciosamente todos os cantos por onde passava.
De repente a gata parou próxima a um grande vaso antigo. O animal ficou alguns instantes observando o objeto empoeirado como se refletisse sobre este. Depois de alguns instantes a gata mostrou suas afiadíssimas  garras e pulou dentro do vaso:
- AIEE!!!
Takato saiu de dentro do objeto pulando, segurando o braço esquerdo onde a gata enfiara as garras:
- Mi. - disse meigamente Kuro saindo do vaso.
- Puxa vida Kuro! Você me encontrou de novo! - exclamou Takato irritado com sua falta de capacidade de se esconder de uma gatinha fofa, apesar de saber que Kuro era bem diferente das outras gatinhas fofinhas de estimação. - Desse jeito a mestra vai achar que sou um incompetente. - lamentou-se.
Kuro não pareceu dar atenção a fala do jovem. Virou-se e saiu voando pelo corredor em direção ao quarto de Kanako.
- K-Kuro!? Onde você tá indo? - perguntou Takato atrapalhado correndo atrs do animal que dava distância. Alguns minutos de corrida depois o jovem alcançou a gata que estava parada junto à porta do quarto da gerente, aparentemente  a sua espera. - A mestra está aqui Kuro? - indagou à ela, mas como ela parecia falar apenas com Kanako voltou-se para porta e abriu-a.
Takato surpreendeu-se ao ver que em vez de sua mestra que estava no meio do quarto com uma vassoura nas mãos era Shinobu:
- Shinobu? - disse ele desconfiado. - O que faz aqui?
- Ah, Takato. - começou a garota sorrindo para ele. - eu estava limpando um pouco, aproveitando que a Kanako não está. Mas, e você? O que faz aqui no quarto da Kanako? - perguntou ela dessa vez assumindo um tom desconfiado.
- Ah...-eu..eu só... - gaguejou ele enquanto procurava uma boa desculpana cabeça. Não havia contado a ninguém sobre o treinamento com Kanako, na verdade a pedido da própria que alegou que as moradoras da Pensão não os deixariam em paz se soubessem do treino, ficariam curiosas e atrapalhando o tempo todo.
- Sabe, as garotas estão desconfiando dessa sua súbita amizade com a Kanako. - disse Shinobu caminhando até a porta do aposento. - Você vai esperar por ela na porta do quarto? - perguntou vendo que o jovem ainda estava  parado à esta.
- N-não eu vou...esperar aqui dentro. - respondeu ele temendo o que a garota pudesse pensar dessa fala, mas ainda assim entrando no quarto.
- Hu...até logo então, Takato. - despediu-se Shinobu à porta.
- Até... - respondeu ele virando-se de costas para ir até a varanda.
- Mas era exatamente isso que Shinobu esperava. Ela sorriu sombriamente e puxou uma corda que aparecera ali do nada. Quando Takato percebeu o movimento era tarde: um laço prendeu seu tornozelo direito e puxou-o para o alto, deixando-o de cabeça para baixo:
- Q-quê?! Shinobu? - perguntou ele surpreso olhando para a mulher de longos cabelos acinzentados, foi só então que entendeu a situação. - Não! Mestra!!!
- Shinobu entrou e fechou a porta, sorrindo. Em seguida arrancou fora as roupas, peruca e mascara relevando-se ser na verdade Kanako:
- Que patético... - disse Kanako séria. - Além de ser encontrado por Kuro, caiu no meu disfarce...
- Desculpe mestra! - pediu ele aflito, ainda pendurado pelo tornozelo. Porém Kanako pareceu perceber algo e não prestou atenção no pedido do garoto.
- Droga, essas intrometidas... - disse ela olhando para o lado enquanto apurava os sentidos.
- O que houve mestra? - perguntou Takato curioso.
- Não temos tempo. - disse Kanako indo até ele e desprendendo-o, fazendo o garoto bater de cabeça no chão ("Ai!"). - Venha, temos que ir. - disse ela puxando-o pelo braço mal o deixando se levantar.
- Ir? Pra onde? - perguntou ele erguendo-se desajeitado enquanto Kanako puxava-o na direção da varanda.
- Qualquer lugar longe dessas garotas curiosas... - respondeu a mulher quando pisaram na varanda do quarto. - Vamos. - disse saltando da varanda puxando o garoto consigo. Kuro miou do quarto quando Kanako e Takato (de cara no chão) chegaram ao solo. - Tente despista-las Kuro. Vamos logo.
Kuro viu Takato se levantar todo arranhado e seguir Kanako que já ia descendo as escadarias. Nesse instante, passos de várias pessoas correndo veio se aproximando rapidamente pelo corredor e no segundo seguinte a porta do quarto foi escancarada:
- O que estão fazendo pervertidos?! - exclamou Sarah vasculhando o aposento com o olhar sendo alcançada por Mei, Ema e a verdadeira Shinobu.
- Sarah, eu ainda acho que estão enganadas. - argumentou Ema sem ser ouvida.
- Ué? Cadê eles? - perguntou Mei e Sarah foi direto a varanda.
- Ei! Lá vão eles!!! - exclamou Sarah apontando para Takato e Kanako que sumiam descendo as escadarias. - Droga! Cadê a Kaolla com as armas de captura nessas horas?! - perguntou-se furiosa quando as outras chegaram na varanda também.
- Fugiram... - disse Shinobu com cara de desconfiada. - Será mesmo...?
- Ah... - disse Ema sem argumentos diante daquela fuga descarada.
- Só nos resta uma alternativa. - disse Mei muito séria.
- Qual? - perguntou Sarah ansiosa.
- Segui-los... - sentenciou Mei e a pequena Kuro não conseguiu pensar em nada que pudesse impedi-las.
- Mi... (*gota*)




- Ah...mestra, por que saímos daquele jeito da Pensão?
Takato e Kanako andando pelas ruas próximas da pensão no bairro Hinata a quase meia hora, nesse meio tempo o garoto mal havia conseguido trocar algumas palavras com sua mestra. Na verdade desde que iniciara seu treinamento do estilo Urashima, as únicas coisas que ouvira de Kanako foram referentes aos treinos. Isso intimidava o jovem, seis anos mais novo.
- O que eu disse sobre as garotas estarem desconfiadas era verdade. - respondeu kanako impassível.
- Ah...mestra, onde estamos indo? - perguntou Takato tentando quebrar o gelo da conversa.
- ... Não precisa me chamar de "mestra" fora dos treinos. - disse a mulher misteriosa de cabelos pretos e olhos orientais. - Chame-me apenas de Kanako.
- C-certo...Kanako. - confirmou Takato ficando feliz por poder chamar a mulher pelo primeiro nome. - Então, onde nós estamos indo...Ka..Kanako? - repetiu a pergunta.
- ... Não sei ao certo... - respondeu Kanako olhando ao redor. - Que tal sorvete? - perguntou apontando para a sorveteria próxima.
- C-claro! - respondeu Takato ficando nervoso com o convite.
Os dois foram à sorveteria, compraram seus sorvetes e sentaram-se à uma mesa para come-los com calma:
- Ah...K-Kanako... - começou Takato parecendo sem jeito. - Sinto muito se eu te aborreço durante os treinos com meus fracassos. - disse envergonhado antes de começar a comer seu sorvete.
- ... - Kanako olhou para o garoto enquanto comia a primeira colherada do seu sorvete e em seguida disse. - É normal que isso aconteça por isso eu disse que o estilo Urashima era para poucos...
- Sei...mas...se não quiser mais me treinar...sabe...eu vou entender... - disse o garoto evitando olhar para Kanako.
- Não fale bobagens. - respondeu esta séria. - E vamos deixar esses assuntos de treinamentos para a hora certa. - completou finalizando a conversa.
A alguns metros dali, de um cartaz antigo, saíam três pares de binóculos na direção de Kanako e Takato:
- E-eles...estão tomando sorvete...? - perguntou Ema o óbvio pois não acreditava nos seus olhos.
- I-isso é...é o que chamam de...encontro?! - perguntou Sarah também incrédula.
- Hum... - resmungou Mei.
- Então nossa suspeitas eram verdadeiras!!!!! - exclamou a loira enraivecida ("Psiu! Ce tá falando muito alto Sarah!" advertiu Ema aos sussurros.). - Temos que comunicar as outras esse escândalo!!! - ("Sarah!").
- Esse garoto tá ferrado... - sentenciou Mei malignamente.
- Vamos voltar à Pensão garotas! - ordenou Sarah fervorosa.
- M-mas...
- Let`s go!

- Kanako? Por que você veio para a Pensão Hinata? - perguntou Takato depois de alguns minutos de silencio entre eles.
- ... Na verdade, a vovó, Hinata Urashima, me pediu para cuidar desse patrimônio da família por algum tempo. - respondeu Kanako impassível.
- Ah...certo... - disse o garoto fitando o rosto quase sem expressão da mulher a sua frente. Seu jeito misterioso fazia a curiosidade do jovem fervilhar. - Ah...Kanako? Er... e... você tem namorado?
- Quê?! -exclamou Kanako, quase se engasgando com sorvete.
- E que....você é tão bonita...e viaja pelo mundo não?...Bem....pensei que talvez... - tentou explicar-se o garoto enquanto corava, na verdade piorando as coisas. Kanako também corou levemente ao ouvir o elogio do garoto.
- N-não t-t-tenho tempo p-pra isso... - respondeu ela gaguejando mais do que parecia desconcertada. - Você é muito atrevido não? Fazendo esse tipo de pergunta...
- Ah? N-não! - exclamou ele ficando nervoso ao entender o que Kanako queria dizer. - Não me entenda mal! Eu só...
- Você já não está bem encrencado com aquelas duas? - perguntou a mulher com tom de insinuação.
- D-duas?!? - exclamou Takato nervoso, sem entender. - Mas do que você está falando?
- Heim? Vai dizer que você não percebeu? - perguntou Kanako incrédula (*gota*).
- O que?
- Deixa pra lá...
Os dois terminaram o sorvete e começaram a caminhar de volta para a Pensão Hinata. A tarde já estava quase terminado, o céu estava tingido de um vivo laranja quando eles cruzaram uma pequena praça:
- Kanako...nós somos amigos agora? - perguntou Takato inocentemente.
- A...amigos? - Kanako ficou surpresa com a pregunta do garoto. - Bem...acho que....que sim... - confirmou meio sem jeito. Ninguém, até onde ela se lembrava, tinha lhe feitouma pergunta dessas.
- Que bom! - exclamou o jovem feliz. - Antes de conhecer a Pensão Hinata eu nem tinha amigos, agora até você é minha amiga!
- Ah...
- Sabe, uma pessoas sem amigos é uma pessoa incompleta. - disse Takato e Kanako passou o resto do trajeto até a Pensão refletindo sobre as estranhas palavras do garoto.



- ZAN-GAN-KEN!!!!!
Hiro partiu um pedaço de madeira em dois com sua espada de madeira. Já era a décima vez que repetia o exercício:
- Muito bom, Hiro. Você leva jeito pra isso! - exclamou Motoko que o observava enquanto escrevia. - Acho que por hoje já está bom, amanhã veremos se vai se sair tão bem contra mim...
- Quê?! Mas eu só treino a um mês! - exclamou o homem assustado coma possibilidade de lutar contra a mestra do estilo shinmei.
- Ha ha ha! Não se preocupe, prometo que não vou matá-lo. - prometeu a espadachim rindo.
- Ugh...
- GENTE ! GENTE! - berravam Sarah e Mei vindo correndo até o pátio onde estavam Hiro e Motoko.
- O que houve? - perguntou a mulher as garotas quando estas pararam ao chegar a eles.
- UM ESCANDALO! - exclamou Sarah quando Ema as alcançava.
- Escândalo? - perguntou Hiro.
- UM CRIME!! - exclamou Mei.
- Crime? - Motoko ficou perplexa.
- Ei! Não exagerem! - disse Ema para as outras duas que estavam empolgadas.
- Não é exagero! - afirmou Mei enfaticamente.
- É uma perversão! - afirmou Sarah.
- Perversão?! - perguntaram chocados Hiro, Motoko e Ema.
- Vocês não vão acreditar... - começou Sarah em tom teatral.
Sarah e Mei relataram tudo o que tinham visto (e muito mais) para os espadachins, além de enfatizarem o comportamento estranho dos "amantes" nos últimos tempos, o que era do conhecimento de todos.
- Quê? O Takato e a Kanako, amantes?! - exclamou Hiro simplesmente chocado.
- Mas o que estão dizendo... a Kanako sempre foi apaixonada pelo Urashima. - argumentou Motoko.
- Ora, Motoko! O Keitarô tá casado agora, é natural que a Kanako procure outra pessoa! - contra-argumentou Sarah.
- Meu irmão... - Hiro ainda não conseguira voltar a pensar com o choque daquela noticia.
- Ainda acho que é absurdo. - sentenciou Motoko, convicta. - Não faz o estilo da Kanako agarrar garotinhos. Não acredite nelas Hiro. - disse a mulher ao outro que parecia quase convencido.
- Ah...tá. - confirmou Hiro abobalhado. - E-eu tenho que ver se o banho está limpo...
- Certo, vou com você. - disse Motoko olhando de lado para as garotas que, tinha certeza, que insistiriam até convencer o jovem. Entraram na Pensão deixando Sarah, Mei e Ema para trás.
- Esperem! - exclamou Sarah seguindo-os.
- Vocês são surdos? - perguntou Mei irritada seguindo-os também.
- Ga-garotas! - disse Ema não querem ficar pra trás.




Kanako entrou apenas de toalha no banho ao ar livre que estava vazio. Ela entrou na água quente enquanto seus pensamentos estavam mil. A conversa divertida que tivera aquela tarde com Takato a fizera ver algo com muita clareza: ela nunca tivera amigos. Claro que já sabia disso, mas as palavras daquele garoto "arrumadinho" e bonzinho a fizera perceber o peso dessa realidade. "Uma pessoa sem amigos é uma pessoa incompleta" , por que isso a perturbava tanto? Afinal ela não estava ali para fazer amigos! Estava ali para descobrir o grande segredo que a tornaria mestra do estilo Urashima! Isso sim era importante, e só porque decidira se distrair treinando um garotinho que ela teria que levar a sério o que ele dizia. Não mesmo...
Entrementes, Takato estava suando frio, apesar do vapor estar quase o sufocando. Ele estava disfarçado de pedra para tentar pegar Kanako desprevenida durante o banho. Sabia que aquilo poderia parecer algo de errado, mas ele tinha que mostrar a sua mestra que estava evoluindo em técnica.
Takato se posicionou às costas da mulher, pronto para atacar. Uma mínima ondulação na água fez Kanako despertar de seu devaneio e abrir os olhos. Takato preparou-se para avançar.
"3...2...1...".
Kanako sorriu.
"Boa tentativa, garoto".
SPLASH!!!
Takato largou seu disfarce e saltou com um chute na direção de Kanako. Esta por sua vez  virou e segurou a perna do garoto, jogando-o mais a frente, direto na água:
- Argh! - exclamou Takto ao emergir na água quente. - Eu não acredito!
- ... Devo admitir que você é ousado. - disse Kanako satisfeita. - E criativo também. Mas ainda está longe de me pegar desprevenida.
- Droga... - disse baixinho o garoto. - Não pense que vou desistir assim!! - exclamou ele avançando na direção de Kanako.
- Tsc... quer lutar? - riu-se a mulher assumindo postura de luta. - Pois tente.
Takato tentou socar Kanako, mas esta segurou seu pulso com firmeza e com uma força descomunal o fez imergir completamente na água. O jovem não deixou barato, agarrou o outro braço de Kanako e a puxou para o fundo também e a disputa tornou-se subaquática:
- Ei gente! É sério! - disse Sarah.
Varias pessoas vinham se aproximando do banho, mas nem Takato nem Kanako ouviram, pois estavam imersos na água. Hiro abriu a porta do banho e entrou seguido de Motoko, Sarah, Mei e Ema:
- Já disse que isso é bobagem. - disse Motoko meio irritada. - É claro que o Takato e a Kanako não são "amantes secretos". Isso é...
Mas nesse instante o fôlego de Takato acabou e ele e Kanako emergiram da água. Como tinha menos fôlego, o garoto quase desmaiara e acabou caindo por cima da mulher:
- Ei garoto! Levanta! - ordenou Kanako para o outro que estava com o rosto próximo ao seu.
- Ah... desculpe. - disse ele tentando se ajeitar ainda tonto.
Foi só então que os dois "amantes" perceberam que não estavam sozinhos. Hiro(*reticências*), Motoko(*idem*), Sarah(*gota*), Ema(*idem*) e Mei(*brilho nos olhos*) olhavam mudos para o casal abraçado, Kanako completamente nua, pois sua toalha saíra durante a briga subaquática:
- Ah... - disse Kanako.
- Ah... - repetiu Motoko.
- O-o-o-o quê... - tentou perguntar Hiro que estava branco como o papel.
- Ops... - disse Takato pasmo, esquecendo-se de sair de cima de Kanako.
"QUE POUCA VERGONHA É ESSA!!!!!"
Sarah e Mei(sorrindo) espancaram Takato que foi parar do outro lado do banho. Kanako porém se desviou dos ataques, pegou sua toalha e saiu da água:
- AIEE!! - berrava Takato.
- Morra infeliz!!! - berrava Sarah esmurrando o garoto.
- se "ferrô", idiota! - exclamou Mei batendo também.
- Socorro!!! Eu não fiz nada!!! - exclamou o garoto tentando se proteger se sucesso dos golpes das garotas.
- O que está havendo aqui Kanako? Explique-se! - ordenou Motoko parecendo transtornada apontando para a mulher de toalha.
- Meu irmão....meu irmão... - repetia baixinho Hiro sem acreditar no que tinha visto(*lágrimas*).
- Claro que eu posso explicar. - disse Kanako impassível.
- Pode???? - exclamaram Sarah, Mei, Ema e Hiro. As duas primeiras parando de bater automaticamente em Takato.
- Graças a Deus.... - disse Takato que já estavam pensando que morreria.




Quinze minutos depois estavam todos (devidamente secos e vestidos) sentados à mesa no refeitório da Pensão Hinata. Como já era tarde, Hiro e Takato jantariam na pensão antes de irem para casa.
Como havia dito, Kanako podia explicar o porquê de ela e Takato terem agido de maneira suspeita no ultimo mês. Claro que preferia manter segredo, mas com a cena do banho isso não seria nada saudável para os dois. Hiro e Ema pareceram aliviadíssimos ao saber que se tratava de um grande mal-entendido. Sarah ficou perplexa(um pouco aliviada também) e Mei profundamente desapontada:
- Nossa Takato. Você treinando jiu-jitsu com a Kanako...legal. - comentou Shinobu admirada mais com a coragem de treinar com Kanako do que por outra coisa.
- Hunf... - resmungou Mei.
- Puxa...cheguei a pensar que não conhecia mais a "tampinha-Kanako". - comentou Motoko rindo.
- Ei! - exclamou Kanako.
- E onde você estava Kaolla?- perguntou Sarah à morena tentando distrair-se daquele assunto.
- Ah...deixa isso pro próximo capitulo, Sarah. - respondeu Kaolla sorrindo aumentando a curiosidade da loira quando ela percebeu a resposta que recebera.
- Quê?
- Ufa... - deixou escapar Hiro e Ema o fintou curiosa deixando desconcertado. Mas, para a sorte de ambos, ela apenas sorriu com entendimento e o jovem retribuiu.
- Ué? Que papo esquisito é esse? - perguntou Mei para Kaolla e Sarah.
- Ah? - perguntou de volta a loira que ainda confusa.
- Do que você tá falando, baixinha? - perguntou Kaolla com tom de inocência e Mei ficou muito vermelha.
- Baixinha!?!
- as discussões continuaram durante o jantar inteiro. Kanako apenas observou as palhaçadas típicas da Pensão Hinata se desenrolarem, de repente lhe veio a mente:
"Sabe, uma pessoa sem amigos é uma pessoa incompleta".
Estranho.
Kanako olhou ao redor e se questionou: será que realmente não tinha amigos? Não seria aquela sensação boa que tinha no meio daquelas bagunças da pensão uma prova de que, mesmo sem saber, tinha grandes amizades ali?
- O que houve, gerente? - perguntou Motoko, que estava sentada ao seu lado, sorrindo. - Sentindo-se de volta à casa?
- ... - Kanako refletiu por alguns segundos, mas sorriu como resposta à espadachim e voltou a observar a confusão divertida de um simples jantar naquele lugar único chamado Pensão Hinata.
"É. Quem sabe eu me sinta de volta".

Nenhum comentário: