sábado, 16 de junho de 2012

[Conto] O Estranho Prólogo de Ricardo Slayer

O conto a seguir está intimamente relacionado a outro já postado aqui no blog, chamado As 2 mil vidas de Ricardo Slayer. Acabou criando contos sobre esse peculiar personagem quando deixo os pensamentos vagando.



O Estranho Prólogo de Ricardo Slayer

Ricardo Slayer sempre procurou ser um cara discreto. Tão discreto que sua mãe só percebeu sua existência quando o médico, com ar de assombro, disse-lhe que estava entrando em trabalho de parto.

“Mas eu não estou grávida!”

“Grávida ou não, senhora, seu filho está querendo vir ao mundo!”

Essa foi apenas a primeira estranheza da vida que tentava ser discreta de Ricardo Slayer.

Depois disso, quando ele tinha apenas seis meses de idade, seus pais se viram diante de uma situação que nunca tinham visto igual: seu pequeno filho parecia uma pessoa completamente diferente a cada dia. Na segunda amanhecia como um bebe chorão, na terça mal acordava para comer, na quarta era curioso e tentava salvar do berço a cada quinze minutos, na quinta era calmo e nos outros dias essa sequência se alternava de maneira aleatória.

Ricardo foi benzido por um ancião durante vinte dias, até que finalmente sua personalidade pareceu tornar-se única.

Depois de mais esse acontecimento estranho Ricardo não cresceu como um garoto problemático, como parentes maudosos sugeriram que aconteceria, mas pelo contrário: Ricardo demonstrava múltiplos talentos que iam desde a matemática até o esporte, passando pela música e pintura. Seus colegas de aula pediam ajuda antes da prova de física, química, história, filosofia e desenho técnico.

Graças ao seu envolvimento com projetos de pesquisa na área de engenharia ele acabou sendo conhecido em todo o meio acadêmico brasileiro pela alcunha de “garoto do futuro” ganhando diversos prêmios destinados a incentivas jovens talentos.

O único problema que Ricardo causou durante a juventude foi num dia de outono quando ele quase enviou um avião com passageiros na direção da sede do governo, tudo isso usando o computador da escola durante a aula de informática. O mais estranho deste episódio é que Ricardo não era capaz de recordar de nada que acontecera naquele dia e os psicólogos não conseguiram encontrar nada no rapaz que pudesse indicar que ele tivesse algum desequilíbrio ainda por ser revelado.

Quando o vestibular veio e Ricardo optou por continuar suas pesquisas a nível acadêmico superior músicos, atletas e até artistas que o conheciam ficaram desapontados por perder o talento extraordinário do rapaz para estas áreas. No primeiro ano de faculdade Ricardo ainda conseguiu manter suas atividades extras sem deixar cair seu rendimento, mas isso acabou não sendo mais possível depois.

Com apenas vinte anos e uma parede que não tinha mais espaço para tantos certificados de premiações a nível latino-americano na engenharia Ricardo percebeu que estava farto daquela vida onde não havia espaço na semana para praticar suas aulas de natação ou mandarim e decidiu-se: largou a faculdade e foi morar do outro lado do país, isso tudo com o dinheiro que economizara de todas a premiações que já havia ganho.

E assim Ricardo Slayer foi trabalhar como designer de uma editora de revistas quinzenais dos mais diversos ramos, em uma metrópole do outro lado do país. Ele conseguiu de volta sua vida discreta enquanto fazia a diagramação de revistas de fotografia ou moda. Ele tinha esperanças de com essa tranquilidade pudesse enfim encontrar uma namorada carinhosa que iria completar sua existência.

Só que ele não sabia é que sua maior estranheza e aventura só iria realmente começar numa tarde sábado, quando ele dormisse sobre a sombra de uma bela árvore no parque central da metrópole.

Um comentário:

Fellipe Kajelani disse...

Adorei, Mazaki-san, e li o outro também. Ambos muito bons, gostei do Ricardo, traga mais sobre ele quando surgir a ideia adequada! Desculpe só ver a atualização agora, mas como prometido, deixo aqui minha sincera admiração pelo seu texto, é sempre bom ler algo de sua autoria.

Até logo, espero!